Santa Branca

Município de pequeno porte (13.934 habitantes, 2014), baixa densidade demográfica (51,18 habitantes por km2; Estado de São Paulo – 170,43), alta urbanização (88,21) e discreto predomínio feminino da população, que é jovem em comparação ao Estado e região. A análise das pirâmides demográficas (Acesse o infográfico) mostra o acompanhamento da tendência nacional de redução da fecundidade e mortalidade infantil, e aumento da expectativa de vida. A taxa geométrica de crescimento da população de 2010 a 2014 foi negativa (0,32aa), menor do que o Estado e Região (1,16aa). A renda per capita (R$ 591,21) é inferior ao valor da região e do Estado (R$ 853,75) e 22,83% dos domicílios, segundo o Censo de 2010, possuíam renda de até 1/2 salário mínimo. A taxa de analfabetismo (6,86%) é maior do que a do Estado (4,33%) e região. Esses índices caracterizam o município como tendo baixos níveis de riqueza e preocupantes indicadores sociais, desafios para a organização da rede de saúde e garantia do acesso universal. A população é jovem, mas cresce e envelhece rapidamente, o que implica em demandas também crescentes para a rede de serviços de saúde. A “Cidade Presépio” como é chamada Santa Branca, é uma pequena cidade tranquila, de beleza natural e cultura preservada. O rio Paraiba do Sul corta a cidade e, por ser limpo na região e abrigar a represa de Santa Branca, a procura de turístas por eventos ecológicos e esportivos é intensa, alguns exemplos são a Ecobóia, natação, pesca, o Trilhão e as Cavalgadas. Os vários prédios históricos, fazendas e outros pontos turísticos do lugar contam a história de como  a  cidade  nasceu  e  se  desenvolveu,

como por exemplo, o edifício Ajudante Andrade, construído por escravos na época imperial e uma das várias marcas da áurea do café na região e a Ponte Metálica, construída pelo famoso escritor brasileiro e também engenheiro Euclides da Cunha. A cidade também conta com uma gastronomia famosa na região, com o famoso “pintado na brasa” e as cachaças artesanais. Muitos eventos populares também atraem visitantes como o carnaval de rua, Feira Agroartesanal (FASBRA) e a Festa do Divino.

(Dados: Fundação Seade, perfil municipal, consulta em 20 de fevereiro de 2015)

Página em construção.
 

PLANEJAMENTO

TERRITÓRIO

Uso do solo

CIDADE

LOCALIDADES

CULTURA, IDENTIDADES E CONEXÕES

A cidade é cortada pelo rio Paraíba do Sul e abriga também a represa de Santa Branca. Por conta disso, muitos visitantes escolhem a cidade para curtir a natureza e praticar esportes e atividades, como o boiacross (descida do Rio Paraíba do Sul em cima de uma boia), a natação, a pesca e as trilhas caminhadas às margens do rio.

Um dos eventos de maior destaque nessa categoria é Ecoboia, que ocorre todos os anos e no qual pessoas de todas as idades se confraternizam descendo o Rio Paraíba com suas criativas boias e jangadas. Em sua xxx edição, o evento conta anualmente com uma média de 20 participantes.

Pertenceu ao primeiro barão, Bento Lúcio Machado, de Jacareí, irmão de Cláudio José Machado, proprietário da Fazenda do Caetê.

O barão faleceu sem deixar herdeiros e em seguida, em condições não muito claras, faleceu a baronesa, cujos herdeiros venderam as suas partes na referida propriedade que abrangia os municípios de: Mogi das Cruzes e Jacareí (capela Curada de Santa Branca). As demais fazendas dessa região não resistiram ao tempo, foram todas divididas e subdivididas em pequenas e médias propriedades.